Geek Vox #113 – ARTE E EXPOSIÇÃO ESTRANHA DE GENTE ESQUISITA

Geek Vox #113 – ARTE E EXPOSIÇÃO ESTRANHA DE GENTE ESQUISITA

0


FALAEEEE GALERA!

Os Geek chóra com tanta arte...

Os Geek ~chóra~ com tanta arte…

 

Está no ar mais um Geek Vox! No programa de hoje, Doug, Edison Rizzato, Fabio Nanni e Maroto fazem uma seleção de exposições artísticas bizarríssimas para comentar e cagar muita regra. E se você não gostar do que vamos falar nesse programa, não se irrite, é nossa arte, nosso jeito de se expressar…de ver o mundo…

Coloque seus fones de ouvido, aperte o play e pense: podia ser pior, essa exposição podia ser paga!

____________________________________________________________

LINKS IMPERDÍVEIS:

ASSINE

PARTICIPE

TODO DOMINGO TEM GEEK VOX!

About author
Equipe Geek Vox

Equipe Geek Vox

Doug Oliveira & Rodrigo Maroto. Os Geeks que dão voz ao Geek Vox! OUÇA NOSSO PODCAST EM: http://geekvox.com.br/geek-vox/

  • Fala Geeks!
    Sobre este assunto, assistam o primeiro episódio de Black Mirror.
    Não posso falar nada pra não dar spoilers 😡

  • Pingback: Geek Vox #151 – NOTICIÁRIO BIZARRO! - Geek Vox()

  • Aline Dllgnl

    Eu há alguns meses atrás: “O tema desse cast é arte? Que tema chatinho, vou pular.”
    Eu semana passada: “Estou sem podcasts para ouvir, vou baixar este, não deve ser tão ruim.”
    Eu hoje, ouvindo o GV 113: *SE MATANDO DE RIR* XD

    Só vocês para fazer um cast de um tema boring como esse (imho) ficar TÃO engraçado! XD~

  • Brancão

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Rachei de ri desse cast…foda demais,o cara que prego as bola na calçada…rapaiz com problemas neh?
    Td de bom pra vocês e continuem com o sucesso..
    Abrç.

  • Rodrygo Tanaka

    KKKkkk
    Depois de todo esse discurso meu eu tive que procurar no google o que era CMYK.
    Eu também entendo o seu ponto, mas adoro falar sobre isso, não poderia perder a oportunidade!

  • Pingback: "Codex Seraphinianus", de Luigi Serafini | Geek Vox()

  • Douglas Oliveira

    Nada que não se resolva no CMYK…rs mas entendo o ponto.

  • Rodrygo Tanaka

    Então, apesar de todos os espectros existirem na óptica e na cromática (Luz no caso), produzir a tinta é extremamente difícil.
    O pigmento azul e seus derivados são extremamente raros na natureza. Em muitos casos que encontramos o azul na natureza ele é na realidade um pigmento violeta bem claro ou a mistura de pigmentos roxos com verde. Segundo a minha professora de arte contemporânea, algumas tintas azuis chegam a ser escoltadas pelo exército pois podem conter material explosivo e muitas vezes também usado em armas terroristas.
    Mas, voltando ao Klein. A cor realmente poderia existir na nossa visão, ou em misturas acidentais. Porém, a fórmula desse azul brilhante (Imperceptível na tela do computador, só vendo na vida real mesmo) foi criada por ele e um grupo de químicos e patenteada no ano de 1960. Com essa inovação Klein abriu a possibilidade de criação de outras tintas que mantivessem o brilho mesmo depois de secas.

    Porém, reconhecer que esta obra foi importante é uma coisa, outra é achar que os mais de 100 quadros monocolores dele eram TODOS ótimos, até eu acho overated demais. Um tava bom.

    Como você deve ter percebido, eu sou um daqueles de boina aplaudindo a Yoko, mas ainda tenho um pouco de bom senso…(Acho…kkk)

  • Douglas Oliveira

    Inventado não né… pera lá…rs

    Concordo q ele possa ter batizado a parada, agora “inventado” é um pouco demais.

    Por isso que eu falo: existe arte e existe piração de artista que é abraçado pelo fato do cara já ter um histórico artístico.

  • Ligia Duque

    É muito material discutível em nome da arte, né? :C Penso que qualquer expressão que fere o direito a vida de outros não é expressão, é invasão.
    A arte é o que te faz questionar, refletir, sentir. É o que te faz sair do estado racional. É o que mexe com seus sentidos, com seus valores, é que te instiga, te inspira. É aquilo que você aprecia ou odeia, que te desperta. 🙂
    Parabéns meninos, imitações de porco a parte rs, excelente episódio como sempre!

  • Rodrygo Tanaka

    Última curiosidade: Duchamp questionava muito o que era arte. “A fonte” de Duchamp é a sua obra mais famosa pois esfregava na cara que o que importava para os artistas da época era o local onde o trabalho era apresentado e não a obra em si. Outro grande trabalho é L.H.O.O.Q. (Que quando lido em francês soa como “Elle a chaud au cul”, que significa “Ela tem fogo no cu”), a famosa Monalisa de bigode, questionando o que é canônico na arte. Mas eu já li que a sua intenção original era jogar a verdadeira Monalisa no rio Sena, mas ele foi impedido (Felizmente).

  • Rodrygo Tanaka

    As artes performáticas e as instalações também são super importantes para a história da arte. São obras que não podem ser compradas, são puros ideais. Elas não precisam ter sentido ou intenção. Elas existem para você se incomodar e principalmente se questionar: Porque eu gosto disso? Porque eu me incomodo? Porque eu estou com raiva?
    Uma exemplo de obra simples que causou um incomodo em mim, foi a obra Blowjob de Andy Warhol.
    https://www.youtube.com/watch?v=frrO6A1AYbE

  • Rodrygo Tanaka

    Como um apaixonado pela arte moderna e contemporânea, eu tenho que dar a minha contribuição:
    Algumas obras não foram feitas para serem entendidas. Apesar de muitos tentarem ver imagens ou figuras em quadros, desde as vanguardas europeias as obras são mais técnicas do que temáticas. Um exemplo de quadro que eu amo é o ikb79 de Yves Klein. Para quem olha pensa que é só um quadro azul, qualquer criança de três anos conseguiria fazer. Mas, esse tom de azul (Conhecido como Azul Klein) foi inventado por ele.