“O Retrato de Dorian Gray”, de Oscar Wilde

“O Retrato de Dorian Gray”, de Oscar Wilde

0

Geeks, olá outra vez! Insistindo nos clássicos… Falemos um pouco de “O Retrato de Dorian Gray”, de Oscar Wilde, publicado em 1890. A história basicamente trata de aparências, com um pouco de encantamentos. Até que ponto você se corromperia para manter sua juventude? Tem medinho de espelho?

capa_dgDorian Gray era um rapaz muito belo e estava no começo de sua vida adulta quando conheceu o pintor Basil Hallward. Encantado pelo rapaz, ele faz seu retrato, refletindo toda a adoração aos seus traços e reavivando toda a vaidade de Dorian. No início, ele ainda era inocente, porém um amigo de Basil, Lord Henry Wotton, entrou em cena para jogar toda a sua filosofia boêmia e desprendida da vida em cima do influenciável e despreparado Dorian. Claro, quando somos mais novos não ficamos pensando em como será quando envelhecermos. E Dorian fica completamente atordoado com as conclusões de como a vida passa rápido e os grandes feitos ficam para trás.

A primeira reação dele foi rejeitar o quadro de Basil, desejando que a pintura sofresse os efeitos do tempo em vez dele. Isso magoou seu admirador e fez a amizade entre Henry e Dorian se tornar forte. As ousadias e maneira mais realista de Henry em ver as coisas fazia o inexperiente Dorian traçar caminhos nada saudáveis ou justos.

The_Picture_of_Dorian_Gray_V2_by_GerwellVemos aqui um homem muito egocêntrico, cruel e que não mediu esforços para conseguir tudo aquilo que queria. E, principalmente, da maneira que gostaria. As pessoas eram apenas instrumentos para aumentar sua autoestima, confirmar que ele era superior à decadência que chegava para todos, menos para ele… Enquanto isso, sua alma ficava cada vez mais podre com todas as maldades que cometia.

É impressionante como as pessoas confiavam nele somente por ser bonito. Pois nem sempre Dorian fazia questão de ser agradável, embora essa fosse a conduta padrão para cativar a atenção alheia quando era do interesse dele. O pavor dele em ficar feio e velho somente antecipa uma reação que observamos em algumas pessoas de meia idade que se frustram por não terem feito tudo o que gostaria enquanto eram novos, e acabam fazendo muita merda e se comportando como garotinhos.

Tudo isso é bastante atual, pois a natureza humana permanece imutável a despeito de toda a tecnologia e evolução. Nós queremos ser eternos de algum modo. E a ideia de que não podemos lutar contra a morte, muito menos com a redução de marcha, é fogo. Por isso também o mundo está cheio de gente tentando se recauchutar de qualquer jeito e parecendo boneco de posto na linha do trem: esticado e retalhado.

Bom, digressões à parte, é um livro muito bom, cheio de metáforas brilhantes, e a ironia do Wilde é simplesmente incrível – tanto nas declarações de Henry, quanto nos destinos dos personagens.

Dorian-Gray-picO livro intriga e fascina tanto que já foram feitos vários filmes a respeito, mas duas adaptações cinematográficas são mais famosas, como Tainá conta em seu completíssimo post! A primeira foi em 1945, com Hurd Hatfield no papel de Dorian, e o filme até ganhou um Oscar de melhor fotografia! A segunda adaptação foi lançada em 2009, com Ben Barnes sendo Dorian, e Colin Firth interpretando Henry Wotton (e alguém pode me explicar por que ele não fez o papel do Dorian? Ah, claro, é moreno…).

Sem preconceitos com livros antigos, geek, deleite-se com essa obra prima – e com o sorrisinho do Dorian no retrato mais acima no post! Só olhar com atenção e boa sorte para dormir!

Até a próxima! *assopra o pó*

About author

Equipe Geek Vox

Doug Oliveira & Rodrigo Maroto. Os Geeks que dão voz ao Geek Vox! OUÇA NOSSO PODCAST EM: http://geekvox.com.br/geek-vox/